domingo, 26 de julho de 2015

E quando a guarda nos revela grandes vinhos?

Sabe aquele velho ditado dos tempos da vovó "quem guarda tem?". Nunca fizera tanto sentido. Claro que quando se estuda e trabalha diretamente com vinhos, sabemos que o chamado infantícídio, ou seja, a prática de se abrir um vinho de guarda antes do tempo necessário é quase como cometer um delito. Mas segurar a vontade e um misto de ansiedade é algo bastante difícil. E aí eu te pergunto: e quando a guarda nos revela grandes vinhos? Constatei que a guarda só trouxe bem-aventurança ao meu palato que pode degustar o vinho Wakefield Estate Shiraz 2009. E a espera e paciência valeram a pena.

Wakefield Estate Shiraz 2009 é um dos grandes vinhos do produtor Taylors Wines localizado na Austrália Meridional, ao Sul, no famoso Clare Valley, região vinícola de forte tradição no cultivo da uva Riesling, mas também de notáveis Cabernet Sauvignon e de expressivos vinhos Shiraz. A vínicola que usufra de um clima continental está situada a 350m acima do nível do mar a qual possui também uma boa diversidade de solos entre terra-rossa e argila vermelha sobre pedra calcária. Uma descoberta inusitada foi feita durante a escavação da barragem da vinícola, onde foram encontrados fósseis de cavalos marinhos junto à  base da pedra de calcário, o que viera apenas a confirmar que essa área, que um dia foi um antigo fundo de mar interno é perfeita para a produção de grandes vinhos. E os três cavalos marinhos que constam no logotipo da marca é também encontrado no rótulo do delicioso Wakefield Estate Shiraz 2009, o meu vinho de guarda!

Vamos então ao vinho?

Wakefield Estate Shiraz 2009
Produtor: Taylors Wines
Região: Clare Valley
País: Austrália
Análise organoléptica:
Cor: vermelho rubi granada com halo de evolução.
Aromas: ataque de frutas vermelhas escuras (ameixa e cereja preta), especiarias finas, chocolate, couro.
Boca: no palato é encorpado, de ótima estrutura com frutas ainda muito presentes, muito equilíbrio entre os seus taninos já bem domados, boa acidez e uma longa persistência em boca.
Obs: Minha nota só poderia ser 10. Vinho no ponto e no tempo auge para o consumo. 





Até o próximo post!